Dedicar-nos ao máximo na busca pelo conhecimento, com o objetivo de oferecer aos nossos pacientes o que há de melhor

Lipoaspiração e as gorduras localizadas

A queixa é generalizada, principalmente no pico do verão – quando os corpos estão ainda mais á mostra – a maioria das pessoas reclama dos famosos “pneuzinhos” ou daquela gordura lozalizada que teima persistir – para infelicidade geral – na barriga. Muitos pacientes chegam ao consultório, relata a cirurgiã plástica, membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Theodoria Bacelar, dizendo terem feito dieta, exercícios físicos e naquele lugar específico a gordura, segundo eles, não cede, nem por decreto. Theodoria explica que as células de gordura localizam-se em todo o corpo, entre a pele e os músculos.

Ao contrário do que se imagina, ao se perder peso não se perdem células de gordura; elas diminuem de tamanho e, quando se engorda, elas aumentam de tamanho. Então, o númeor de células permanece o mesmo e algumas – localizadas – realmente não cedem com ginástica ou dietas. O ganho e perda de peso, ela diz, associados á hereditariedade e á idade, dáo origem a gorduras localizadas em ertas regiões do corpo, alternando o contorno corporal.

E se, de fato, a gordura incomoda, por que não fazer uma lipoaspiração? – a cirurgia indicada para melhorar o contorno corporal e as medidas corporais, através de remoção de acúmulos de gorduras localizadas que não são eliminadas com dietas, nem exercícios físicos. A lipoaspiração, também conhecida como lipoescultura, é a maneira cirúrgica capaz de eliminar a gordura localizada, e pode ser realizada em diversas regiões do corpo. Segundo Theodoria, essa cirurgia proporciona recuperação rápida, menor desconforto no pós-operatório, as cicatrizes resultantes são mínimas (variam de 5 a 8 milímetros) e planejadas para ficarem pouco visíveis.

A TÉCNICA

A retirada de gordura é feita por meio de cânulas finas, através de pequenos orifícios na pele. A anestesia pode ser local assistida, peridural ou geral, podendo durar de uma até quatro horas, de acordo com a necessidade. O pós-operatório praticamente não apresenta restrições ao paciente. O processo de cicatrização é gradual. O tempo de repouso é, em média de três a cinco dias. Se realizada dentro dos critérios, raramente traz complicações. Segundo Theodoria, o perigo não é maior nem menor que outra cirurgia; entretanto, deve-se levar em conta que grandes volumes retirados podem determinar riscos. É, consenso, na SBCP, que o volume totalde gordura a ser retirado, por sessão, nõa deve ultrapassar 5% a 7% do peso corporal.

CONSIDERAÇÕES

Para finalizar, Theodoria diz que o candidato que desejar submeter-se á lipoaspiração ou qualquer outro tipo de cirurgia plástica deve optar por um cirurgião membro da SBCP; só assim terá confiança de que foram necessários mais de onze anos de formação, entre faculdade, residências credenciadas em cirurgia geral, em cirurgia plástica e provas para especialista pela SBCP. No que se refere ao cliente, ele deve estar saudável; por isso, um dos pré-requisitos é a obtenção de bons resultados em exames que incluem desde o sanguíneo até o cardiológico. Mais importante ainda é o paciente ter em mente que uma lipoaspiração não vai resolver o problema de obesidade e sim o de gorduras localizadas, Por isso, algumas pessoas que desejam fazer esse tipo de cirurgia, e obter bons resultados, precisam antes estar com peso ideal para sua altura e, sobretudo, ter em mente que a manuntenção é essencial. “Mesmo após a cirurgia, a dica é a adoção de uma vida saudável, com bons hpabitos alimentares e a prática de exercícios, fundamental para a saúde do corpo e da mente”, aconselha Theodoria.

UMBIGO – A DIFERENÇA ESTÁ NOS DETALHES

A maioria das pessoas define como modelo ideal de barriga aquela reta, sem excesso de gordura, sem os famosos “pneuzinhos”, a barriga dita, popularmente, “sarada”. E, quando se imagina ele modelo ideal, é inevitável que a imagem do umbigo tambpem veha á mente. O que a maioria das pessoas desconhece é que um umbigo é uma cicatriz – resultado do corte feito no cordão umbilical. De acordo com o cirurgiçao plástico Ricardo Baroudi, o umbigo é a única cicatriz desejada no corpo humano. Em um país tropical – e com o sangue latino da mulher brasileira – onde ele quase sempre está a mostra, fica fácil entender a exigência no que se refere a forma dele. Miniblusas, calças baixas, deixam em evidência a cicatriz, isso sem fala no uso do piercing no umbigo, cada vez mais frequente.

Há mais de vinte anos, precisamente em 1980, quando o pai da lipoaspiração, o francês Ives Gerard lllouz esteve pela prmeira vez no Brasil, apresentando aos cirurgiões plásticos uma técnica desenvolvida por ele para retirada do excesso de gordura, o novo procedimento, além de não ter sido bem acieto, por se tratar de uma ousadia para a época da cirurgia, chegou a ser, pode-se dizer, rejeitado pela grande maioria. Somente no ano seguinte, após publicação e com respaldo científico, foi que os cirurgiões plásticos brasileiros, criteriosamente e gradativamente, começaram a experimentar a nova técnica como uma real possibilidade de trabalhar a gordura localizada e, assim, dar forma ao contorno corporal. Nenhum dos presentes áquela época poderia imaginar que hoje, vinte e quatro anos depois, a lipoaspiração estaria consagrada e que se tornaria uma dos maiores avanços da cirurgia plástica, sendo a técnica mais realizada em todo o mundo., inclusive no Brasil. Dados da SBCP revelam que, só em 2003, foram feitas 80 mil lipoaspirações, cerca de 40% do total das cirurgias plásticas estéticas realizadas em todo o País, o que garante a esse tipo de cirurgia o posto de primeira no ranking nacional. Fato esse que se tornou possível graças não só á genialidade do criador, mas principalmente pela contribuição dos cirurgiões plásticos brasileiros ao longo desses anos. Estatística que justifica ser hoje a cirurgia plástica brasileira, dentre as Áreas da Medicina, o principal produto de exportação brasileiro, tendo participação fundamental na criação e avanço de várias técnicas cirúrgicas, inclusive na lipoaspiração. A experiência adquirida pelo número elevado de cirurgias realizadas e a busca constante pela melhoria dos resultados – que impõe á especialidade constante necessidade de aprimoramento – têm feito com que os cirurgiões plásticos, a cada ano, enriqueçam mais a técnica. A evolução vai desde a simples mudança de espessura das cânulas (instrumento utilizado para retirada da gordura), com o obejtivo de evitar irregularidades na pele, a adoção de medicamentos próprios para diminuição de hematomas, a possibilidade de se tratarem níveis diferentes de gordura (superficial e profundo) até a associação da lipoaspiração com outras cirurgias plásticas (mamas, glúteos, face, etc), com o objetivo de propiciar melhores resultados. A lipoaspiração também pode ser combinada com cirurgia de abdômen, quando se chega a utilizar a técnica em quase metade de todo o procedimento, já denominada de lipoabdominoplastia. Avanços e aprimoramentos que justificam o respeito adquirido pela cirurgia plástica brasileira em todo o mundo, tornando o Brasil um dos países mais procurados para a realização de estágios e reciclagem de conhecimento em cursos, simpósios e congressos. A cada ano, em congressos brasileiros da SBCP, novas técnicas são apresentadas, discutidas e atualizadas, com o objetivo de se atingir a busca pela perfeição exigida pela maioria dos clientes.

LIPOASPIRAÇÃO – REFINAMENTOS APÓS CRIAÇÃO

No último congresso realizado em Fortaleza, na presença do pai lipoaspiração – desta vez homenageado e aplaudido de pé pelos cirurgiões e pessoas presentes – não poderia ser diferente: mas uma vez, vários temas foram apresentados e discutidos. E assim como em outros tipos de cirurgia plástica, a lipoaspiração foi também tema de discussão e apresentação de vários trabalhos. A busca incessante pela satisfação do cliente com os resultados obtidos chega ao extremo do refinamento, como, por exemplo, a possível prevenção de uma flacidez umbilical pós-lipoaspiração. O cirurgião plástico mineiro , membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Alexandre Melo, há nove anos na especialidade e participante ativo em simpósios, cursos e congressos, tem tentado, com os conhecimentos adquiridos, buscar soluções que possam ir ao encontro das exigências dos clientes. Na estatística pessoal dele, a lipoaspiração também vem como a mais realizada. Diante dessa realidade, ele, ao longo dos anos, observou uma queixa específica no que se referia ao umbigo. Ele conta com 30% de seus pacientes pós-operados de lipoaspiração, queixavam-se do umbigo horizontado – o popular umbigo triste ou chorão. Uma espécie de flacidez localizada no umbigo pós-cirurgia, explica Alexandre. O cirurgião conta que, para esses pacientes em particular, a retirada do excesso de gordura atendia á melhoria desejada do contorno corporal, mas o umbigo se tornava um ponto falho; muitos, segundo ele, chegavam a dizer que o umbigo se tornava uma espécie de delator do procedimento. Diante dessa queixa, e na tentativa de evitar uma possível flacidez, o cirurgião desenvolveu a tática cirúrgica por ele denominada de “Ressecção em Leque”. Alexandre explica como sendo uma técnica realizada durante a própria lipoaspiração, onde é feita dentro do umbigo uma ressecção (retirada) de pele em forma de leque, com o objetivo de prevenir uma possível flacidez umbilical após a cirurgia ou mesmo manter a forma original do umbigo. Segundo pesquisa realizada por ele em pacientes que já apresentavam graus variáveis de flacidez umbilical antes da lipoaspiração e foram submetidos á nova técnica, 92,5% relataram que o umbigo manteve-se na forma original ou melhorou. Resultado: Alexandre diz que a realização da tática passou atender não só as expectativas dos clientes, mas principalmente ás dele enquanto cirurgião.

Detalhamento e refinamento mineiro – apresentado para o Brasil no último congresso, e que rendeu ao cirurgião plástico Alexandre Melo o prêmio “Bruno Bonfante”, pela SBCP regional Minas Gerais – que agora pode passar a fazer parte de todo o arsenal cirúrgico de que dispõe o cirurgião plástico para atender ao anseio interminável do ser humano: a busca pela perfeição.

Leave a Comment

(0 Comments)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso Ajudar?