Dedicar-nos ao máximo na busca pelo conhecimento, com o objetivo de oferecer aos nossos pacientes o que há de melhor

"O CFM, CRM e SBCP proibem fotos pré e pós por questões éticas. Veja imagens no Youtube"

a) Cicatrização

Toda cicatrização demora de 18 a 24 meses para chegar ao resultado final, passando por várias formas e etapas. A cicatrização inicia-se logo após o machucado ou incisão cirúrgica, através da coagulação, que forma uma verdadeira rede, que serve de base para a migração de células, aumentando o fluxo sanguíneo desta região. Estas células de cicatrização se reproduzem e passam a produzir colágeno. Posteriormente, novas células chegam à região para remodelar este colágeno. Toda essa história demora em torno de um a dois anos, sendo que, de três a seis meses, a cicatrização passa pela pior fase, tornando-se vermelha, em alto relevo e com prurido (coceira). Ao final, algo em torno de dois anos, ficará com a cor e consistência da pele e sem relevo.

b) Complicações

Toda cirurgia, sendo plástica ou não, está sujeita a riscos, assim como tudo na vida. Porém, as cirurgias plásticas são traumas cirúrgicos, e tem os mesmos riscos das outras cirurgias; isto inclui desde as mínimas cirurgias plásticas até as grandes, com anestesia local ou não. Existem os riscos de complicações MENORES E MAIORES.

MENORES - são aquelas evoluções indesejáveis, de mais fácil resolução ou tratamento, exigindo, na maioria das vezes, cuidados locais no consultório e em casa. Ocorrem em aproximadamente 1% das cirurgias. Exemplos: deiscência de sutura (abrirem alguns pontos), drenagem de secreções, infecção localizada, rejeição aos pontos, queloide na cicatriz.

MAIORES - são aquelas mais graves e de tratamento geralmente complexos e hospitalares. São elas: trombose venosa, embolia pulmonar, arritmia cardíaca, anemia no pós-operatório, necrose de tecidos, rejeição a próteses, entre outros.

Fatores de risco: as pessoas que apresentam estes fatores estão mais propensas a ter as complicações maiores, devendo aos médicos tomar cuidados a mais para preveni-las.
São fatores de risco: tabagismo, uso de drogas, idade acima de 60 anos, obesidade, uso de hormônios (inclusive anticoncepcionais), já ter tido trombose antes, insuficiência cardíaca, diabetes ou hipertensão descontrolada.

c) O que fazer para evitar complicações?

Prevenção através de:

* Exames de sangue:
- Hemograma completo
- Glicemia de jejum
- Coagulograma + RNI
- Beta HCG
- Uréia
- Creatinina

* Cardiologista:
Todo paciente que vai se submeter a uma cirurgia deve ser examinado por um cardiologista ou clínico, que deve examinar o coração, pulmão, enfim, realizar um exame clínico completo. Este médico realizará um eletrocardiograma (ECG) e solicitará quantos exames a mais forem necessários, além dos exames já solicitados pelo cirurgião plástico.

* Anticoagulantes:
Quando o paciente tem fatores de risco, ou quando o cirurgião julga necessário, é usado o Clexane (flexporina/enoxiporina) já no dia anterior à cirurgia e no pós-operatório, a fim de evitar trombose venosa e embolia pulmonar.

* Compressão venosa:
Com o mesmo objetivo dos anticoagulantes, são usado aparelhos que comprimem as pernas de 45 em 45 segundos, durante toda a cirurgia, para evitar complicações circulatórias.

* Cuidados pós-operatórios
Antes da cirurgia, você tem medo da cirurgia. Após a cirurgia, é o seu médico que tem medo de que você não cuide bem dela, tomando os devidos cuidados pós-operatórios orientados já na primeira consulta e entregue em impresso no pós-operatório.

× Como posso Ajudar?